Esboço- Marcos 12:1-12

Então Jesus começou a lhes falar por parábolas: “Certo homem plantou uma vinha, colocou uma cerca ao redor dela, cavou um tanque para prensar as uvas e construiu uma torre. Depois arrendou a vinha a alguns lavradores e foi fazer uma viagem. Na época da colheita, enviou um servo aos lavradores, para receber deles parte do fruto da vinha. Mas eles o agarraram e espancaram, e o mandaram embora de mãos vazias. Então enviou-lhes outro servo; e lhe bateram na cabeça e o humilharam. E enviou ainda outro, o qual mataram. Enviou muitos outros; em alguns bateram, a outros mataram. “Faltava-lhe ainda um para enviar: seu filho amado. Por fim o enviou, dizendo: ‘A meu filho respeitarão’. “Mas os lavradores disseram uns aos outros: ‘Este é o herdeiro. Venham, vamos matá-lo, e a herança será nossa’. Assim eles o agarraram, e o mataram, e o lançaram para fora da vinha. “O que fará então o dono da vinha? Virá e matará aqueles lavradores e dará a vinha a outros. Vocês nunca leram esta passagem das Escrituras? ‘A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular; isso vem do Senhor, e é algo maravilhoso para nós’ “. Então começaram a procurar um meio de prendê-lo, pois perceberam que era contra eles que ele havia contado aquela parábola. Mas tinham medo da multidão; por isso o deixaram e foram embora.

Marcos 12:1-12

Introdução:

  • Jesus esta na sua última semana de vida antes da cruz.
  • Ele havia sido proclamado rei na entrada triunfal
  • Ele Havia purificado o templo
  • Ele havia sido interrogado pelos lideres religiosos sobre a autoridade dele para fazer o que ele estava fazendo.
  • Agora depois de Jesus ter declarado que ele mais não lhes falaria com que autoridade ele agia, Jesus os denuncia diante do povo
  • Vamos ao texto.

1-“Então começou a lhes falar por parábolas” – Se seguirmos o contexto do capitulo 11 vemos que Jesus estava passeando entre o povo no pátio do templo, lá ele havia sido questionado e agora la ele também se dirige aos mestres da lei, chefes dos sacerdotes e aos anciãos de Israel com essa parábola denunciadora. Ele faz isso diante de todo o povo.

“Certo homem plantou uma vinha, colocou uma cerca ao redor dela, cavou um tanque para prensar as uvas e construiu uma torre.” – Jesus aqui usa as palavras de Is 5:1-7 como pano de fundo para sua parábola. Com isso ele visa trazer ao pensamento de seus ouvintes não só a história recente de seus 30 e poucos anos mas a história de toda a nação.

Deus trouxe Israel pra fora do Egito, os deu território e o necessário para que eles vivessem a fim de produzir o fruto devido a Deus- glorificação a Deus mediante a piedade deles. Havia sido feito um acordo entre Deus e Israel- Deus provia a vinha e o necessário para o cultivo e Israel cultivava a vinha que lhes fora entregue por Deus.

“Depois arrendou a vinha a alguns lavradores e foi fazer uma viagem”- Algo muito comum nos dias de Jesus, os proprietários geralmente arrendavam suas terras e vinhas aos lavradores por uma porcentagem acordada da colheita. Quando era tempo da colheita o proprietário vinha buscar o que era seu por direito e o restante era dos lavradores. Os judeus entenderiam e aceitavam como norma essa pratica.

2-3 Na época da colheita, enviou um servo aos lavradores, para receber deles parte do fruto da vinha. Mas eles o agarraram e espancaram, e o mandaram embora de mãos vazias.

  • Como fora acordado pelo homem e os lavradores, no tempo devido ele enviou seus servos para receber deles parte do fruto da vinha, mas os lavradores não contentes com sua parte do fruto da vinha quiserem se apoderar do que era do dono da vinha. Eles agarraram e espancaram o servo enviado e o mandaram de mãos vazias. Isso era impensável de si fazer, que ato de grande injustiça cometiam esses lavradores.

4-5 Então enviou-lhes outro servo; e lhe bateram na cabeça e o humilharam. E enviou ainda outro, o qual mataram. Enviou muitos outros; em alguns bateram, a outros mataram.

-O que vemos agora no versículo 4 e 5 é uma intensificação dos sentimentos envolvidos. O dono da vinha intensifica o seu clamor por justiça e o desejo de reconciliação com os lavradores. Eles por sua vez intensificam o seu egoísmo e ganância a ponto de matarem ou baterem nos servos enviados pelo dono da vinha.

Jesus aqui esta apelando para o contexto histórico para fazer seu ponto. Aos sacerdotes e os mestres da lei foram confiados o ensinar o povo a ser piedoso e a viver para gloria daquele que os havia feito uma vinha. Mas eles falharam na historia e se corromperam e negaram as verdades das escrituras se tornando dominadores  e supressores da verdade e assim fazendo o povo pecar. Por isso Deus enviava seus servos os profetas para requerer dos lideres e do povo o fruto que Deus esperava da sua vinha- vida piedosa, fidelidade as escrituras e justiça. Mas os lideres religiosos mais preocupados com seu conforto fisico e aparente posição de autoridade rejeitavam, batiam e matavam os servos profetas enviados por Deus. Tamanha era a pretenção dessa cúpula religiosa que pensavam eles que o messias precisava de ser aprovado por eles antes de ser aceito como tal.

6-7“Faltava-lhe ainda um para enviar: seu filho amado. Por fim o enviou, dizendo: ‘A meu filho respeitarão’. “Mas os lavradores disseram uns aos outros: ‘Este é o herdeiro. Venham, vamos matá-lo, e a herança será nossa’.

– O dono da vinha insistente em reconciliação e no que era justo, depois de ter enviado todos os seus servos, lhe faltava um, seu filho amado. Ele pensava “ao meu  filho respeitarão”

– Mas o egoísmo e o desejo de ser o dono da vinha havia crescido tanto nos lavadores que eles matam o filho para que a vinha passe a ser deles “venham, vamos matá-lo, e a herança será nossa”.

– Jesus faz uma acusação seríssima contra os lideres religiosos, eles o perseguem pois reconhecem que ele é de fato o filho de Deus, e para protegerem seus interesses egoístas de autoridade, de controle sobre o povo ele se ajuntam para matar o herdeiro.

8 Assim eles o agarraram, e o mataram, e o lançaram para fora da vinha.

– Eles não só planejam um plano maligno mas o seguem, eles o matam mas não se contentaram, eles ainda lançaram o seu corpo pra fora da vinha. O desejo deles era apagar qualquer vestígio do filho para que o que era dele por herança agora pudesse ser deles- o mesmo pecado de adão e eva prevalece aqui: desejo de ser seu próprio deus ou ainda de ser Deus. Eles também visam infligir maior vergonha possível ao filho e ao dono da vinha, para o judeu, quem era levado para fora da cidade eram os leprosos, os pecadores condenados a morte.

9-11 Jesus agora interrompe a parábola para lhes fazer uma pergunta “O que fará então o dono da vinha? Ele mesmo responde: “Virá e matará aqueles lavradores e dará a vinha a outros” Eu consigo ver as caras torcidas dos lideres religiosos e do povo pensando: “É ridículo essa parábola, nós vamos rejeitar o messias?” “E ainda nós o povo de Deus não vamos ser mais? Deus vai dar a vinha a outros?”

-Jesus se encarrega de mostrar biblicamente que é isso mesmo que aconteceria, e que de fato já estava acontecendo “A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular” Jesus aqui faz referencia clara ao templo, para indicar também que os construtores eram os lideres religiosos- Que rejeitaram a pedra que se tornou o fundamento de todo o povo de Deus- a pedra Jesus Cristo de Nazaré.

12 Perceberam os lideres religiosos, os mestres da lei e os chefes dos sacerdotes que Jesus falava contra eles essa parábola, e então começaram a procurar um meio de prende-lo a fim de fazerem o que se revela em seus olhares- matarem a Jesus!

Mas porque tinham medo do povo, que nas vésperas da páscoa, as pessoas vinham de todas as regiões incluindo a galiléia onde muitos o conheciam e com certeza a grande maioria sabia da sua fama, por isso o deixaram, e foram armar maneiras de o prenderem.

Conclusão

O que esta limpo se limpe mais mas o que se suja suja-se mais

Continue o injusto a praticar injustiça; continue o imundo na imundícia; continue o justo a praticar justiça; e continue o santo a santificar-se”.

Apocalipse 22:11

O confornto da palavra resulta em duas coisas- ou produz arrependimento, ou aumenta a iniquidade pois os homens, não vivificados pelo espirito, engenham meios de se oporem a verdade a fim de protegerem suas más obras.

Essa mensagem foi pregada dia 08/02/15 na CNA Church. O meu desejo em compartilhar o esboço da pregação é que pessoas possam ser impactadas pela palavra de Deus. Sinta-se livre pra usar esse material de qualquer forma que avance as verdades expressas nas santas Escrituras.

Deus abençoe.

Fontes: NVI, EBC, Calvin, Adolf Pohl Comentário em Marcos, BST Mark, IVP-NB, Henry, ESVS, NIV comentário.

A pergunta é será que as palavras de Jesus tem gerado em você arrependimento e Santificação? Nas palavras de Jesus “Quem tem os meus mandamentos e lhes obedece, esse é o que me ama.” Jo 14:21

O perigo da fé morta!

Discipulado do reino – parte 5

Tiago é uma das cartas mais desafiantes e diretas que encontro na bíblia. O assunto predominante que ele trata é o relacionamento entre obras e fé, ele apresenta a prática da palavra como fruto da fé salvadora e não como mérito para salvação. Nossa meditação essa semana se baseia nos versículos 19 a 25 do capítulo 1 da carta de Tiago e algumas coisas nos ajudarão a melhor interpretar o texto: Tiago usa “palavra” para se referir as escrituras, ele a percebe como instrumental na regeneração do Cristão(V.18), há um chamado para que se receba a palavra(V.21), (22-25) ele discute o praticar a palavra. Portanto, podemos dividir o texto em dois grupos: 19-21 enfatiza o ouvir e receber e 22-25 enfatiza o praticar.

Texto: “Meus amados irmãos, tenham isto em mente: Sejam todos prontos para ouvir, tardios para falar e tardios para irar-se, pois a ira do homem não produz a justiça de Deus. Portanto, livrem-se de toda impureza moral e da maldade que prevalece, e aceitem humildemente a palavra implantada em vocês, a qual é poderosa para salvá-los. Sejam praticantes da palavra, e não apenas ouvintes, enganando-se a si mesmos. Aquele que ouve a palavra, mas não a põe em prática, é semelhante a um homem que olha a sua face num espelho e, depois de olhar para si mesmo, sai e logo esquece a sua aparência. Mas o homem que observa atentamente a lei perfeita que traz a liberdade, e persevera na prática dessa lei, não esquecendo o que ouviu mas praticando-o, será feliz naquilo que fizer” Tg 1:19-25

No v.19 Tiago nos exorta a ter em mente algumas coisas “tenham isto em mente” importantes sobre o receber e ouvir a palavra: O receber a palavra demanda prontidão- a verdade é que relutância serve de bloqueio para que haja aceitação da verdade. O receber da palavra demanda conter o falar- só se pode ouvir quando o falar cessa. Demanda também conter a ira- o homem irado tem a mente fechada para a verdade de Deus e em sua busca por justiça acaba por cometer grandes atos de injustiça. Existe um grande desencontro entre argumentação excessiva e receber humildemente a palavra da verdade.

A razão para a exortação do v.19 é revelada claramente no v.20: a ira do homem não pode produzir a “justiça de Deus”. É no mínimo maravilhoso ver que o Deus que tem toda autoridade para ordenar qualquer coisa por sua palavra poderosa, se preocupa em nos dar razões, afim de nos fazer entender o porque obedece-lo, podendo Deus simplesmente nos exortar a obediência ele se preocupou em escrever sua bíblia com palavras como “pois”, “portanto”, “mas” etc… Todas essas palavras que mostram ao homem finito as razões que o Deus infinito tem. Glória a Deus!

No v.21 Tiago conclui essa sessão sobre receber e ouvir a palavra “Portanto” por ser a ira do homem incapaz de produzir justiça que agrada a Deus “livrem-se de toda impureza moral e da maldade que prevalece e aceitem humildemente a palavra implantada em vocês”. O uso da palavra “implantada” nos faz saber que o seu chamado não é para uma aceitação inicial, pois seus leitores já eram “seus irmãos em Cristo”como consta no v.2, mas a uma apropriação total da verdade é o chamado de Deus que Tiago relata.

Tiago agora depois de ter falado sobre a importância do ouvir e receber a palavra, vai se preocupar em exortar seus leitores a colocar o que se ouve e recebe em prática. Não é suficiente ouvir ou ler a palavra, a motivação do Cristão em ouvir e receber a palavra deve ser descobrir o desejo de Deus em relação suas práticas do dia a dia. A responsabilidade daqueles que ouvem é muito maior do que a dos que nunca ouviram, pois, ao não se praticar a palavra, tal pessoa se coloca numa posição difícil onde a própria palavra da verdade é testemunha contra seus maus feitos!

Versículos 23-25 o autor novamente nos dá o porque devemos colocar em pratica o que ouvimos. Primeiro ele vai nos dizer como é o homem que ouve mas não coloca em prática a palavra. Tiago diz que esse é semelhante ao homem que “olha sua face no espelho e, depois de olhar para si mesmo, sai e logo esquece a sua aparência”. É interessante notar que a palavra que é traduzido por “olha”significa observar, considerar cuidadosamente. O homem se tornou bem familiarizado com o seu rosto! Isso implica que aqueles que ouvem a palavra devem estudá-la cuidadosamente para que se entenda o que se ouve a fim de descobrir o que Deus espera daqueles que foram “gerados por Sua própria palavra da verdade”V.18. Tiago continua a ilustração nos falando “depois de olhar para si mesmo,””o homem “sai e logo esquece a sua aparência” o que na verdade é ridículo de se pensar! O que Tiago quer nos fazer entender é que não mesmo ridículo do que esse homem são Cristãos que ouvem atentamente a palavra e não se lembram de colocá-la em prática! O propósito de ouvir a verdade é para que se aja de acordo com os seus ensinamentos! Deus sempre condenou o conhecimento teórico de verdades espirituais que não é atrelado à prática do mesmo!

Tiago agora, faz o contraste do homem que é semelhante ao que olha no espelho e logo se esquece de sua imagem, com o que ouve e pratica a palavra, esse segundo “será feliz naquilo que fizer”V.25 A razão de receber tão benção é:

  • Ele é observador atento da palavra
  • Ele persevera na sua observação – Salmos 1
  • Ele não esquece o que ouviu e recebeu
  • Ele pratica o que ouviu

Discipulado do reino diz que o discípulo deve viver de acordo com os ensinamentos das escrituras sagradas! A bíblia é regra de fé(ouvi) e conduta(pratica) dos verdadeiros discípulos de Cristo!

Deus abençoe!

Pr Du.

 

Discipulado do Reino

Olá pessoal,

Em 2014 achei por bem trabalhar com a Liderança da CNA Church  o tema “Discipulado do Reino”. O que acredito é que se formos bons discípulos seremos bons líderes. Ser bom discípulo é ser participante da glória do nosso Senhor pelo ato de salvação e do sofrimento pelo carregar a cruz. Durante 2014 estarei postando nosso boletim da liderança que é enviada semanalmente para os líderes da CNA Church. Minha oração é que seja benção e te inspire a ser um participante do discipulado do reino.

Pr Du.

Liderança nesw letter Fev 14

Jesus é o seu Rei?

O capítulo 6 do evangelho de João é cheio de eventos que demonstram a glória de Cristo como o Deus criador eventos que revelam algumas verdades que nos confrontam. Durante os primeiros versículos João relata o milagre da grande multiplicação onde Jesus demonstrou sua divindade multiplicando cinco pães e 2 peixes. Jesus criou pão e peixe suficiente para alimentar uma multidão. Os versículos seguintes (14-35) relatam a reação do povo diante de tal milagre, o episódio onde Jesus anda sobre as águas e a declaração de Jesus como sendo o Pão da Vida. Hoje quero concentrar na reação do povo diante do milagre e a resposta de Jesus à essa reação.

A primeira importante observação a ser feita é que no evangelho de João, milagres são chamados de sinais. A intenção de João era fazer o leitor entender que os milagres que Jesus operou serviam para apontar para uma realidade maior: a sua identidade como Deus e como o Messias. Quando entendemos isso a declaração do povo depois de ter testemunhado o milagre da multiplicação faz mais sentido: “Sem dúvida este é o Profeta que devia vir ao mundo”. O povo desejou proclamar a Jesus como rei.

Aparentemente, o povo estava fazendo a coisa certa reconhecendo quem Jesus era e por estar querendo fazer dele rei. Porém, a resposta do povo diante dos milagres de cura dos doentes(sabemos que Jesus curou os enfermos por causa do relato do mesmo episódio nos sinópticos) e o enchimento do seu estômago revelou o que eles realmente buscavam no Messias: Eles queriam um libertador terreno, um que pudesse satisfazer todas as suas necessidades físicas – comida e saúde eram sua prioridade. Porém, Jesus se recusa a ser esse tipo de rei, proclamado por motivos egoístas!

Jesus atravessou o mar para a outra margem e o povo o seguiu o encontrando em Cafarnaum. Jesus ao ver o povo, não se alegrou em ve-los, mas foi duro em palavras com eles. Por que Jesus foi duro com o povo depois de o terem seguido? A resposta de Jesus é clara: Eles o seguiram não porque viram os sinas mas porque eles comeram os pães e ficaram satisfeitos. Eles não entenderam que os sinais apontam para uma verdade maior do que os milagres em si. Os sinais que Jesus operou, eram para que mediante a manifestação da gloria dele, as pessoas pudessem, em fé, reconhecer que ele era o messias e o ter como seu maior tesouro. O povo fez do seu tesouro as coisas físicas que sua natureza humana desejava. Jesus era o só o meio que garantia que o desejo deles ia ser feito.

Aplicação:

Hoje existem pessoas que querem fazer de Jesus rei por motivos egoístas, Jesus é só um meio pelo qual se obtém as coisas que o desejo egocêntrico humano deseja. Mas a verdade é que o homem só pode ver o reino de Deus quando Jesus é o seu maior tesouro- quando se entende que todas as coisas que ele faz em seu favor, servem para revelar que Ele é o salvador e o Senhor de tudo e de todos. Quando os milagres de Cristo são vistos como mais preciosos do que o próprio Deus que os opera, Jesus se recusa ser o rei dos que assim agem.

Faça de Jesus o seu maior tesouro, sua segurança e o que você deseja como prioridade, para que mesmo quando Deus escolher não fazer o milagre que você pede e precisa, você ainda sim possa se alegrar nele e não nos sinais que Ele opera. O prazer é o próprio Jesus e não as bênçãos dele!

Deus abençoe

Pr. Eduardo Ramos

Evangelho simples

Evangelho puro e simples é o que está cada vez mais escasso na Igreja brasileira. Nossas igrejas estão crescendo e fugindo do seu propósito inicial que é a centralidade de Cristo. Hoje, o evangelho se resume à psicologia e auto ajuda algo que é radicalmente diferente do evangelho que confrontava os que criam a viver de forma que Cristo era manifesto em todos os aspectos de sua vida, onde a prioridade não era ter mais e o melhor do que um mundo capitalista pode oferecer mas o ter mais e do melhor,  era fazer a vontade de Deus, viver de tal maneira que Cristo era centralidade de todas as coisas, a motivação para se achegar à Deus e a fonte do prazer dos que aceitavam a palavra com fé.

Meu desejo é que esse blog sirva para despertar crentes a voltarem para um Cristianismo puro e simples, onde a centralidade de Cristo é a prioridade total.

Deus abençoe,

Pr Eduardo.Image